Monthly Archives: December 2013

Polisenso

O tempo é uma coisa relativa. Se hoje fosse ontem, amanhã seria hoje. De qualquer forma, eu tô tranquilo. Como dizia o síndico: “Vai saber o que o gorila pensa.”. Aprender a ver o mundo de outra ótica é essencial. Aplaudir o pôr-do-sol é preciso. Pessoas, sentimentos, tradições e rituais fazendo parte de um todo. É o mundão e suas infinitas possibilidades. Um olhar atento vai notar os seus detalhes como o dégradé do céu, o reflexo dos olhos em outros tão belo quanto os de quem os vê. É entender a dimensão de toda essa imensidão sem fim e perceber que qualquer canto é uma casa. Eu imagino como era tudo no tempo do meu avô. Tem gente que esquece que caixão não tem gaveta e nessa passagem, aprendizagem é a única bagagem. O homem se diz sapiens, mas o que mais lhe parece faltar é a sapiência. Shoppings lotados e bibliotecas vazias. Liberdade confundida com pornografia. Dá pra sentir observando aqui, trocando idéia lá. Melhor viver a vida e entender que a Lua e o Sol dividem o mesmo céu. Dá pra ouvir o silêncio no ar, capaz de te envolver e de te transportar. Suave é, suave será. Tranquilo é, tranquilo será. Simples assim. Que a luz preencha todo meu ser e me faça ver o que há além do que é material. É preciso estar sintonia. Lavar a alma na chuva para a Mãe Natureza devolver a calma. Imperialismo, vaidade, poder, construir um ego antes de nascer virou uma padronização. Algumas pessoas trocaram de papéis com o dinheiro. Ele não é dela, ela é dele. Falta fé. Onde há um ser com fé flui uma força maior. Quer uma boa pra gastar? Gaste sorrisos. Faça da jornada um amor atemporal, siga o fluxo natural. Somos apenas um pouco de tudo e muito de cada pouco, o espaço vazio de polígono oco. Somos os pingos da chuva e a água dentro do coco. Um eremita moderno, diria: “Ao reino da alegria, eu me entrego. Aqui jaz o cadáver do meu ego.”. Pretensiosos senhores da razão, queimaram na fogueira o valor da intuição. Extermínio, catequese e a santa inquisição, são séculos de crimes e torturas, impondo os valores do capital. Fazem lavagem cerebral através do que chamamos entretenimento. Alguns precisam seguir além da própria voz. Mesmo que você me agrida, sei que erra também quem revida. Embora seu conceito não mude, espero que você não me julgue, porque eu jamais vou te julgar. Livres e felizes são aqueles que não veem fronteiras para se expressar. Forte são aqueles que transformam em luz o que é escuridão. Sei, só sei que nada sei. Só sei de nada. Não quero nada. A única coisa que deveríamos ter é paz e bem estar, mas nós mesmos somos contra isso. Importante é não estar só. Se é que alguma vez estivemos. Eu vejo e eu não estou só. Enxergo, contemplo. Eu corro e eu não estou só. Respiro e eu não estou só. Quem dera estive só e conseguisse carregar o mundo nas mãos. Eu erro e aprendo. Reflito e calo. A água, o fogo, o ar e o pó são tudo e eu não estou só. Nem dinheiro, nem prazeres vão trazer o que você tá procurando. As cigarras cantam por viver, celebrando a luz do entardecer. Quanto amor. O universo todo numa flor. Quanto amor! Entender os diversos sentidos é manter-se lúcido. É necessário ter o polisenso da vida e enxergar além do que os olhos veem. Fechar os olhos e sentir cada sensação. Ouça, sinta, veja, pense. Talvez os seus olhos lhe traia. Não sei se você chama de verde a mesma cor que eu vejo.Image

Advertisements